domingo, 18 de janeiro de 2015

Marítimo-Benfica (0-4)

      Mais um difícil obstáculo ultrapassado, com nota máxima. Perante um adversário tradicionalmente difícil, a equipa do Benfica apresentou-se concentrada, coesa e confiante, tornando aparentemente fácil o que parecia problemático. O regresso do capitão Luisão, Eliseu e Sálvio reforçaram os argumentos técnico-táticos da equipa. Já a saída por lesão de Gaitan, o principal criativo, deixou-me preocupado por ser uma área algo deficitária, especialmente após a saída de Enzo. É verdade que a equipa encarnada deu demasiado espaço no meio campo, o que é fatal com certos adversários, mas foi Ola John que, com um magistral passe aéreo isolou Toto, para este, com uma soberba execução, fazer o primeiro golo da noite. Este lance do substituto de Gaitan mostrou como pode ser lançado o ataque sem o custo do desgaste físico inerente ao transporte, finta e drible, como era característico do jogo do Enzo. John, viria a marcar o segundo tento, numa arrancada fulgurante a responder a um passe soberbo do Toto. Este foi o homem do jogo, tendo marcado mais um golo pela direita e feito a assistência "assassina" para Lima fazer o quarto e fechar a contagem. Tinha pedido um golo a Sálvio, hoje no face, e ele marcou dois!, da próxima vou pedir-lhe dois. Júlio Cesar teve pouco trabalho, apesar do denodo da equipa maritimista, mas esteve lá quando foi preciso, negando o golo com uma tremenda defesa em que, in extremis, desvia a bola para a barra! É na baliza que se começam a ganhar os jogos. Depois do quarto tento, os jogadores encarnados baixaram de intensidade e o jogo empastelou-se até ao fim.
      A equipa madeirense bateu-se bem mas não teve argumentos suficientes, havendo a lamentar algumas "flautadas", entre as quais, a que vitimou Gaitan, esperemas que, sem gravidade.
      Quanto à equipa de arbitragem, excepto num ou noutro caso menor, não me pareceu mal. O jogo não teve casos.
 
      O mesmo não se pode dizer do jogo Penafiel-Porto em que, segundo consta foram irregulares os três tentos dos visitantes! Nada de admirar vindo da Artur Soares Dias. A choraminguince hipócrita de Lopetegui, Pinto da Costa e Cª, renderam pelo menos dois pontos aos azuis, mostrando que, no seio da arbitragem, ainda habitam velhos fantasmas.
 
      Já quanto as queixas de gente ligada aos mesmos azuis por omissão de enaltecimento dos feitos desportivos de Pinto da Costa e Pedroto, são mais difíceis de interpretar, visto que, o grande, o principal objetivo da gala da FPF, era o de destituir Eusébio da Silva Ferreira de melhor jogador Português de sempre, atenuando um ressentimento de décadas dos universos verde e azul. Eusébio pressentiu isso e deixou de querer viver. Preferiu ir-se embora que sujeitar-se à previsível humilhação. A morte de Eusébio tem causas...e nem todas são biológicas. É o que penso. E tu Ronaldo, alguma vez pensaste nisto, na tua caminhada para a glória? E já pensaste que ser bola de ouro pelo Real Madrid não tem o mesmo valor que ganhá-la contra o Real Madrid?, Estou satisfeito com a tua vitória, sim, especialmente por seres Madeirense, mas guardo a mágoa de nunca teres tido a nobreza de proteger Eusébio dos seus detratores. E podias tê-lo feito!, Um dia percebê-lo-ás.
 
 
 
 
     

Sem comentários:

Enviar um comentário