terça-feira, 29 de novembro de 2016

Ressaca da Liga dos Campeões!

  
 
  
 
   Uma vitória que, apesar de categórica, revelou algumas deficiências e descontrolo, fatais com equipas de outro nível.
 
   O Moreirense foi à Luz jogar fechadinho no seu meio-campo, garantindo superioridade numérica na disputa da bola, não descartando qualquer oportunidade para subir à área encarnada e visar a baliza. Algo que ocorreu três ou quatro vezes durante o jogo, infrutiferamente, desta vez. Louve-se-lhes a disponibilidade física, a boa circulação de bola e a resiliência por nunca terem desistido de procurar o golo.
 
   A equipa do Benfica pareceu-me muito trapalhona, principalmente na primeira meia-hora, algo atabalhoada, sem fluidez de jogo, com o corredor direito bloqueado e o esquerdo inativo, dificuldade dos jogadores em soltarem a bola, prevalecendo o esforço individual, eventualmente devido ao sobrepovoamento adversário das zonas críticas, forçando uma dinâmica inconsequente. No jogo aéreo, Makaridze, reinava, o que não impediu os avançados encarnados da insistência no jogo alto. Na direita, Sálvio era brindado com três ou quatro "polícias", a ala esquerda não "carburava e a tendência era para o afunilamento e a cerimónia no remate, dada a floresta de pernas na zona. Enfim, finalmente, num movimento amplo, em jogada de envolvimento, Pizzi, o "homem do jogo" aparece na zona frontal livre de marcação, à entrada da área, a finalizar o cruzamento rasteiro da esquerda, enganando Makaridze com grande categoria. O segundo golo resulta de uma bela jogada coletiva em profundidade, com pormenores táticos e técnicos muito bonitos. No terceiro golo destacou-se a velocidade supersónica de Rafa a responder a um lançamento vertical de vinte a trinta metros de...Pizzi, ganhando o sprinte ao guarda-redes adversário, tendo optado, mal, pelo remate, já com dois defessas na frente; Jimenez concluiu, com grande sentido de oportunidade, à ponta de lança. Este movimento de Rafa terá sido o que Rui Vitória pretendeu induzir com a sua entrada no jogo da Turquia. Pizzi assume-se cada vez mais como patrão da equipa; Cérvi faz um trabalho defensivo tremendo, tal como Sálvio. André Almeida não comprometeu, apesar de "algo enferrujado" e a fava, desta vez, calhou ao Eliseu. Jimenez precisa de jogar mais para melhorar a precisão das movimentações na frente de ataque onde provoca grande desgaste às defesas.
 
   Enfim, fiquei com a ideia de que alguns jogadores poderão estar a acusar fadiga mental.
 
   Nada de relevante a assinalar relativamente ao árbitro.
 
   Bem os Técnicos e Dirigentes do Moreirense nas declarações referindo o essencial, abdicando da habitual "conversa mole". 
 
   PS1: Consta-se que terá havido prémios extra aos jogadores do Moreirense; nada surpreendente tendo em conta o que sucedeu na época transata. Veremos se o padrão se repete. O certo é que há demasiadas "anormalidades" em torno do Sporting; dinheiro a rodos de origem desconhecida, processos que ficam na gaveta dos órgãos jurisdicionais desportivos ou concluídos com sanções ineficazes em razão da demora, adversários dizimados por exclusões em jogo precedente com golos regulares não validados. A tudo isto, acrescente-se a rábula que foram os jogos com o Real Madrid, indiciando o envolvimento de "gente graúda" ao nível dessa entidade "impoluta" que é a UEFA e a FPF. Lembremo-nos ainda das cegadas do futsal, do castigo a Vieira e das recentes declarações de Meirim. Ainda quanto ao Moreirense, é um caso a acompanhar tendo em conta a saída de Pepa e a entrada de Inácio para o comando técnico da equipa. A verdade é que me parece ter já visto este "filme" antes. Há indícios de um planeamento extensivo, meticuloso e inescrupuloso para levar o Sporting ao título e não creio que seja da autoria de Bruno de Carvalho. Julgo que é casso para a PJ entrar em ação.
 
   PS2; O Benfica reclama mais dinheiro da NOS, que recusa numa primeira fase, sugerindo uma comissão independente para estudar o assunto. Mais uma vez o clube encarnado funciona como ganha pão dos principais rivais. É bom que faça valer a sua força e não vá em conversas.
 
PS3: Fantástica a equipa de andebol ao bater a forte equipa polaca, muito graças ao acerto de José Figueira, passando à fase seguinte.
 
PS: Os Bês encarnados perderam em casa, ingloriamente, uma vez que jogaram para ganhar. É forçoso trabalhar a eficácia.
 

Sem comentários:

Enviar um comentário