domingo, 27 de janeiro de 2013

Braga-Benfica (1-2)


Foi um Benfica personalizado, confiante,talentoso e solidário que entrou no Municipal de Braga. O supercriativo Gaitan no miolo, alas potentíssimas e ponta de lança de barba rija foram escaqueirando a defensiva Bracarense. Matic, apoiado pelo príncipe da bola de seu nome Enzo Pérez, tratavam da recuperação e do início da construção. Luizão imperial, mandava na defesa apoiado por um cada vez melhor Jardel. Melgarejo está um senhor defesa-esquerdo e Maxí apresentou-se em melhor forma. Artur disse presente quando foi preciso e não teve responsabilidade no golo.

Foi assim durante toda a primeira parte que rendeu dois belos golos dos virtuosos Gaitan, John, Sálvio e Lima, onde à visão e qualidade técnica de Gaitan responderam Sálvio e Lima com garra, força e talento; com o tempero de que deveriam ser feitas todas as vitórias.
 
Já na segunda parte o Benfica mudou a estratégia  para registo controle que custou um golo e muita aflição. Uma velha dificuldade que tarda em ser superada, aconselhando moderação no uso deste modelo. Estou convicto que deveria ter sido mantida a dinâmica inicial procurando o terceiro; depois então passar-se-ia ao modelo contenção.

Tenho uma simpatia especial pelo Enzo. Muito evoluído técnicamente, é um lutador solidário não regateando esforços na apoio defensivo; fala pouco, não gesticula, não discute...simplesmente...joga e faz jogar! Bravo!

Lima parece decidido a apostar no fabrico de chapéus de belo recorte. Desta vez porém o lance aconselhava progressão e bomba ou finta sobre o guarda-redes. Teria sido fenomenal! Cansado para um sprint de 40 metros? Uma fézada?

Gostei de ver o Urreta entrar a tempo de ainda fazer umas boas arrancadas. Tenho uma grande fézada nele; temos jogador. Igualmente, gostei que o Kardek tenha pisado o terreno de jogo; é um incentivo ao trabalho. As qualidades estão lá; necessitam de ser buriladas, em especial a leitura de jogo.

O Braga mostrou a qualidade que lhe vem sendo habitual; bom modelo de jogo, boa dinâmica servida por atletas de boa craveira técnica. Emergiu na segunda parte sobrepovoando o meio campo,com pressão alta e muita iniciativa nas alas. Muito bem a visão e passe do Eder passando o esférico a centímetros da cabeça do Jardel entregando-o de bandeja ao avançado Pedro que, com excelente receção e controle, fez o golo, fazendo subir os niveis de ansiedade entre nós, Benfiquistas. A expulsão do central, retirou-lhes argumentos táticos mas não os impediu de criar perigo até final.

Não sei porque caíu Lima no lance da expulsão. Parece ter sido desiquilibrado pelo defesa, mas não vi contacto algum; será que houve? O Árbitro falhou alguns cartões a atletas do Braga incentivando-os ao jogo faltoso, funcionando algumas vezes como central e armador desta equipa. Nada, porém, comparável às já tradicionais cenas das equipas de arbitragem nestes jogos. Terá sido ocasional ou será uma tendência? A ver vamos!

Ocorreu-me que o castigo de dois meses com que Luisão foi agraciado pela FIFA está a influenciar o campeonato podendo mesmo ser decisivo. É necessário que a FIFA conheça as consequências do seu gesto. Os jogos e as competições devem resolver-se dentro das quatro linhas e não nos corredores do poder.

Gostei da sobriedade das declarações de Jorge Jesus e da referência que fez à coragem dos adeptos do Benfica para verem o jogo. As autoridades têm que pôr mão nos bandidos que por aquelas e outras bandas, espalham o terror entre os Benfiquistas!

Há ou não liberdade de circulação e de expressão em Portugal? Combate-se a homofobia, a discriminação religiosa, racial e política e permite-se promoção da cultura anti-Benfica? Em nome de quê?

AB
 

Sem comentários:

Enviar um comentário