sábado, 12 de janeiro de 2013

Um abel das letras


Francisco Joé Viegas está muito preocupado com o árbitro nomeado para o próximo Benfica-Porto, por Filipe Vieira, em tempos, ter referido que confiava em João Ferreira, e por este ter feito o que lhe competia relatando as cenas de violência que testemunhou nos balneários da Luz no final do Benfica- Porto (1-0).
Não consta que se tenha indignado com a não irradiação do desporto dos autores das agressões, nem com a minimização pelo "célebre" Conselho de Justiça da FPF dos castigos que lhes tinham sido aplicados pelo Conselho de Disciplina da LPFP!
Nem consta que se tenha indignado com os erros grosseiros das equipas de Proença, Soares Dias, Xistra, Elmano, Benquerença e outros, que têm permitido ao seu clube açambarcar títulos sem causa!
Nem consta que se tenha indignado perante dirigentes constituidos em conselheiros matrimoniais de árbitros em véspera de estes arbitrarem jogos do seu clube!

Nem consta que se tenha indignado com o ambiente de "terrorismo" verbal criado pelos dirigentes do seu clube sobre Hermínio Loureiro, levando-o a demitir-se da presidência da LPFP. Um ato revelador da subjugação desta ao seu clube por falta de coragem dos respetivos dirigentes!
Nem consta que se tenha indignado com a atuação da Justiça no caso do Apito Dourado, ou da PSP do Porto, ou do Ministério Público do Porto, que se revelaram incapazes de condenar alguns arguidos, entre os quais o presidente do seu clube, graças a vicissitudes processuais várias!
Nem consta que se tenha indignado com as alterações introduzidas previamente pelo poder político ao Código Civil, que resultaram na inadmissibilidade das escutas como elemento de prova e da consequente absolvição de alguns dos principais arguidos, perante a perplexidade dos portugueses! 
Nem consta que se tenha indignado perante a atitude discriminatória que se tem vindo a observar na cidade do Porto relativamente aos Benfiquistas.
Nem consta que alguma vez se tenha indignado com a escalada de ódio que tem vindo a ser fomentada contra Benfiquistas por figuras do seu clube, a ponto de, com a cumplicidade das autoridades locais, lhes ser vedado o acesso a partes da cidade, de uso exclusivo dos adeptos portistas, como se se tratasse de território sob jurisdição destes!
Nem consta que tenha revelado preocupação pela crescente satelitização dos clubes de futebol ao seu clube, transformando-o em campeão virtual perpétuo!
Nem consta que tenha revelado preocupação pela delapidação de dinheiros públicos resultante do financiamento da construção e manutenção do centro de treinos do Olival, dirigido pelo presidente do seu clube, sem lá ter posto um tostão!
Nem consta que tenha revelado arrependimento pela descortesia com que, implícitamente e reiteradamente, tratou o Spor Lisboa e Benfica e os seus 14 milhões de adeptos, enquanto Secretário de Estado da Cultura do Governo da Nação (não do "Governo do Porto")!
Durante muito tempo acreditei que o Sr. Viegas era um Portista; pela cordialidade que habitualmente exibe, pela empatia que a sua figura suscita, pela sua condição de homem de cultura. Humanismo, patriotismo e universalismo pareciam-me qualidades evidentes.

Afinal é apenas mais um  guarda abel...das letras! Em vez da metralhadora usa a caneta mas...a mesma merda habita a sua cabeça.

Sr Francisco José Viegas, vá regar o manjerico ff!


AB

Sem comentários:

Enviar um comentário