sábado, 5 de janeiro de 2013

O Moderno Benfica


 
Depois de “Missão Benfica”, Luís Filipe Vieira (FV) deu uma grande entrevista no jornaleco     ”A Bola”, que agora comento. Em toda a entrevista, FV mostra a serenidade própria de quem sabe o que está a fazer; de quem tem um objetivo bem definido - o engrandecimento sustentado do Benfica - e sabe como alcançá-lo. De quem está consciente da volatilidade do fenómeno desportivo, das vicissitudes das estruturas gestoras e tutelares do desporto e do país, da competência da equipa que construiu e lidera e da força interna e externa do Benfica e dos Benfiquistas.

Ficam, mais uma vez patenteados, os principais vetores da sua política; aumento sustentado da competitividade desportiva global do clube, difusão e consolidação do Benfiquismo e centripetação dos sócios e adeptos pelo Benfica. É claro o seu propósito de desenvolver e dar coesão à comunidade Benfiquista, consciente de que a efetiva implantação social do clube na sociedade portuguesa é o grande requisito de acesso sustentado ao sucesso, pelo impacto da censura social resultante a todas as formas de corrupção desportiva, que acabará por influenciar os decisores políticos e os agentes judiciais, obrigando-os a pôr fim à obscenidade em que se transformou o desporto nacional.
É precisamente por isso que, à boa maneira soviética ou fascista, os principais adversários do meu clube procuram minar a comunidade de sócios, acionistas e adeptos, recorrendo à contrainformação e propaganda negativa, instalando a dúvida entre os mais céticos, os mais ávidos de resultados, os despeitados, os carentes de protagonismo e os fracos de espírito.
Ramo mais mediático do projeto regionalista, assumido por alguns caciques portistas, beneficiando da ação concertada dos ramos da comunicação social, financeiro, industrial e do político, o poder do clube “branco” acaba por se traduzir nos desempenhos desastrosos das equipas de arbitragem que, com sucessivos e compulsivos erros de função, lhe têm proporcionado despudorado repasto de desacreditados troféus.
Na cabeça de todos nós “mora” o desejo de regresso do Grande Benfica de outros tempos mas nem todos percebemos a diferença de circunstâncias económicas, políticas, sociais e desportivas. O grande edifício exige grandes e sólidas fundações. Fazendo o paralelismo com os principais adversários - até com o país -, não posso deixar de me congratular com as características de criatividade, empreendedorismo e determinação do atual Presidente do meu clube, donde os projetos emergem como cogumelos no inverno.
Mas, algo me sensibilizou em particular; o anúncio da expansão do Centro de Estágios do Seixal, afim de acolher ex-atletas do nosso clube a quem a vida possa não ter sorrido após o descanso das chuteiras. José Torres, José Aguas, Cavém, são os nomes que, de imediato, me ocorrem, com melancolia e mágoa, que deveriam ter disfrutado de tal infraestrutura ensinando aos nossos jovens atletas o fascínio que é o Benfica. Só por isso, Luís Filipe Vieira merece um abraço tipo quebra-nozes.  
Situação Financeira:
A condição de solvência económica atual, aconchegada pela folga da subavaliação dos atletas, a perspetiva de maximização dos direitos desportivos, o maior recurso futuro à formação e a otimização da capacidade de prospeção, conferindo algum otimismo económico ao Grupo, não devem secundarizar a necessidade de racionalização de toda a estrutura de encargos - com destaque para a necessidade de contenção salarial. De igual modo é fundamental conferir solidez estrutural à receita corrente de forma a suportar a inevitável volatilidade da receita não corrente.
Liga dos campeões (LP):
O atual modelo, da responsabilidade da UEFA de conluio com o G14, está a descapitalizar os clubes de média e pequena dimensão, que acabarão reduzidos à irrelevância desportiva em detrimento dos clubes constituintes do G14, com a agravante da sua total e reiterada inoperância face à descarada corrupção que vem grassando no pedibol, como por cá acontece.
É este o mal de que padecem, nomeadamente, Sporting e Belenenses, os quais, relegados sucessivamente para classificações sem acesso LC e à correspondentes receitas diretas e indiretas, se vêm afundando em dívidas, que por sua vez degradam a sua capacidade competitiva deixando-os reféns, ironicamente, dos que mais têm beneficiado do seu definhamento. Teria sido este o destino do Benfica, não fora a sua dimensão e o “atravessamento” de Vilarinho e Vieira no caminho dos bandidos que o querem destruir.
O histórico e honrado Belenenses, protagonista do imaginário futebolístico Luso, esbulhado muitas vezes da verdade das quatro linhas, acaba de ver a maioria do seu capital passar para as mãos de um confesso adepto fundamentalista do clube “branco”. O Sporting está na “calha” e será a próxima vítima, fechando-se o torniquete desportivo em torno do Benfica por parte dos “brancos”, que, em toda a época, acabarão por ter apenas dois jogos difíceis! Neste cenário - já em curso - o Benfica só será campeão se vencer todos os jogos!
É esta realidade que tem que ser denunciada, com sustentação, buscando incessantemente aliados. Nem que tenha que se organizar outra competição, como esteve prestes a verificar-se num passado não muito distante. Neste momento, a UEFA está capturada pelos grandes clubes europeus os quais têm presença cativa na LC , graças aos sorteios amigos e aos decisivos, grosseiros e descarados erros de função arbitral, sempre em benefício dos mesmos. Não é necessário muito estardalhaço para fazer esta denúncia; basta dizer no momento certo, no local certo, com as palavras certas, o que tem de ser dito. Abaixo a UEFA, abaixo o G14!
Witsel e Javi:
Fiquei em pré-pânico ao ter conhecimento da eminente saída destes atletas. Hoje, sinto que este episódio mostrou concludentemente a qualidade do trabalho que tem sido feito ao nível da consolidação do projeto desportivo, catapultando Rui costa, Jorge Jesus, António Carraça, restantes Técnicos e o Benfica, para novo patamar competitivo, graças ao “fôlego” que demonstrou perante tamanha adversidade, seja pelas soluções internas disponíveis, fruto do trabalho silencioso e competente realizado, seja pela demonstração definitiva da capacidade de gerar receitas extraordinárias relevantes. Tal só foi possível graças à sustentabilidade financeira e à estabilidade desportiva do Grupo Benfica. É este o caminho, o resto é fungagá.
Fair-Play financeiro:
Desconfio de tudo que venha da UEFA pelas razões já apontadas e muitas outras, por isso, estou com a “pulga na orelha”. Mas concordo com o princípio; consiste em impor aos clubes o limite de 70 % para os encargos operacionais, face às receitas correntes (salvo erro). Ora este rácio é de 52 % no Benfica! Venha lá o fair-play financeiro…mas sem alçapões que permitam aos trafulhas “brancos”, esconder a realidade.
Cardozo:
Falta muito para renovar o contrato?
Eliseu:
Teria sido um bom reforço. Julgo que o Málaga o “agarrou” porque esperava superar a receita da proposta com o sucesso da LC e com a valorização do atleta. Julgo que acertaram visto que, apesar de “teso”, o Málaga tem feito boa campanha, com destaque…para Eliseu.
Tenho que referir mais uma coincidência “engraçada” no sorteio da LC; não é que o Málaga sai aos azuis e logo depois sai uma ameaça pública de exclusão por dívidas, daquele clube, na próxima edição da LC? Grandes golos marcava Platini! Agora, não acerta uma! Dava um bom tratador de manjericos!
Aimar:
Um atleta que, dentro ou fora do campo, faz bem a um clube como o Benfica, maximizando o desempenho dos colegas e “injetando” confiança e autoestima nos adeptos. No jogo, delicia os espetadores, na estrutura técnica ou diretiva, tranquilizaria os adeptos.
Enzo Pérez:
Não sabia que a sua mãe teve problemas graves! Compreendo agora o descontrolo no primeiro ano, agravado pela grave lesão de que foi vítima. Nunca tive dúvidas da sua qualidade técnica desde os primeiros toques na bola na Luz, mas não suspeitava de que fosse tão bom como tem demonstrado! Mais um príncipe dos relvados.
Extremos:
Sem bons extremos, nada feito! Faltaram-nos na época passada. Felizmente estamos bem servidos nas duas alas. Gaitan, desde que de boa saúde, é uma preocupação…para os adversários! Para nós é um regalo! Ola John “o cantinflas”, é desconcertante…para os adversários! Sálvio, rasga a manta toda! Bruno e Nolito, cada um à sua maneira, sabem como tratar da bola. Urreta é uma esperança…com provas dadas; agrada-me que tenha regressado e desejo-lhe a maior sorte. Acredito nele. O resto é fungagá.
Santos;
Kardec…só por um canudo. Muito bem. Vão comer do casco!
Contratações de Inverno:
O recorrente ruído na CS acerca das múltiplas e eminentes contratações de atletas pelo Benfica, servem para…valorizar os atletas e…justificar os elevados montantes das contratações …pelos brancos…Interessante! Alguém andará a dormir!
Objetivos desportivos:
Afirmar que o Benfica é candidato a ganhar todas as provas é – cada vez menos, espero – retórica de circunstância. Definir prioridades é estratégico; a deste ano é o campeonato e a seguir a Taça. A vitória na LE seria bem-vinda, claro, e constituiria um incentivo para a LC da próxima época. Percebe-se “à vista desarmada” que o plantel está a ser preparado para isso.
José Eduardo Moniz:
A sua inclusão na estrutura do clube potencia substancialmente as capacidades desta, constituindo um ato de grande visão de FV e…uma grande, grandíssima, dor de cabeça aos “brancos”.
Sport-TV:
Joaquim Oliveira, “apertado” pelos bancos credores - outrora controlados implicitamente pelo amigos do governo PS - necessita urgentemente de liquidez que, pasme-se, veio da PT…a mesma onde Rui Pedro Soares - dragão de oiro (salvo erro) - exercia o cargo de Diretor de Marketing, departamento este que apagou alguns “fogos” na casa dos “brancos” e que acaba de adquirir a maioria do capital social da SAD de “Os Belenenses”, naturalmente, para reconduzir o histórico clube ao lugar que já foi seu - coisa em que não acredito.
Com esta manobra, o “grande”, o “inteligente”, o “insuperável” dragão, JO, pretende “matar” dois coelhos. O outro, é garantir o monopólio do acesso aos direitos desportivos, centralizando na Sport-TV a difusão dos jogos, beneficiando da interpretação de lei pela ERC, de que a difusão de jogos do campeonato em canal aberto não constitui exigência da Lei do Serviço Público de Televisão. Fica assim confirmada a suspeita que tinha da utilidade da nomeação do Sr Carlos Magno para Presidente da ERC. Trata-se, como é do -conhecimento público, de mais um indefectível e embevecido dragão - se não já, de oiro, será.
Já agora; estou para ver a resposta que a ERC irá dar à queixa da Liga acerca de abuso de posição dominante por parte da Olivedesportos! Fiz, muito antes, uma exposição sobre o tema, tendo-me sido respondido não terem sido identificadas violações da lei e que tal exposição fora enviada para o Ministério Público! Estou atento.
Centralização dos direitos desportivos:
A posição da LPFP é consistente e de apoiar, desde que sejam salvaguardados os interesses do Benfica. Acabar com o monopólio no setor, garantir a transparência e no tratamento das candidaturas aos concursos públicos e melhorar o financiamento dos clubes mais pequenos é do interesse de todos! Reduz a dependência financeira e desportiva de mais de metade dos clubes dos “brancos” e contribuiria para a desejada verdade desportiva, a qual, como bem sabemos, carece de outros contributos.  Porém, algo não bate certo: Mário Figueiredo - com um currículo académico e profissional sólido - foi; é? - sócio do gabinete de Advogados de Gil Moreira dos Santos e Adelino Caldeira, braço jurídico inestimável dos azuis! Ná…tenho a pulga na orelha! À viva!
Apoio aos sócios:
De louvar as medidas anunciadas de redução dos custos das entradas dos sócios no estádio. Para mim, criar-se-iam as condições necessárias para encher o estádio, fazendo de cada jogo uma festa e do preço um incentivo. Nada mais desolador para os atletas que um estádio vazio, ou mesmo meio-cheio. Nada mais nobre que restituir o futebol ao Povo, o mesmo Povo que marca indelevelmente a história do Benfica. Como dizia o “chinóca”; não interessa cor do gato desde que caces o rato. A eventual quebra de receita seria compensada de muitas outras formas.
Seixal:
Referi o quanto me agradam as obras destinadas aos ex-atletas e claro que me agradam igualmente as obras de ampliação dos campos de treino, já que refletem o alargamento da base da pirâmide da formação, que se refletirá positivamente na qualidade dos resultados no topo da mesma.
Museu:
Uma obra de grande impacto na difusão do Benfiquismo e na autoestima dos Benfiquistas que peca por tardia, embora se compreenda a dificuldade da sua concretização. Faz parte daqueles projetos que exigem recursos avultados e tempo, não se refletindo nos resultados desportivos imediatos, por isso, objeto de alguma incompreensão de alguns adeptos. Um abraço ao nosso Alberto Miguéns, que lá colabora com o seu manancial de conhecimentos, para nosso sossego.
FPF:
Nem cheques em branco, nem em preto, nem de qualquer outra côr! Fernando Gomes não suscita confiança da parte dos Benfiquistas, por todas as proençais razões que bem conhecemos. Há que trabalhar para o meter no olho da rua, que é onde deveria ter ficado…ou, na torre das antas.
Modalidades:
Só faz sentido com a determinação de as ganhar…a todas.
Crise do Sporting:
Passo. Por agora. 
Proença:
Desconhecia que Pedro Proença tinha produzido tão ousadas declarações! Que significará? Só agora percebeu o “substrato” do apito dourado? Atingir o topo, tornou-o lúcido e corajoso? Está a gozar connosco? Ná…parece-me hipocrisia e desvergonha. Se foi sincero, já não vai a horas, o mal está feito; dois títulos foram à viola por erros grosseiros da sua equipa! Quem de direito cumpra a sua obrigação; investigue o que houver a investigar, acuse quem tiver de acusar e condene quem dever ser condenado. É isso que se espera num país decente.
Jorge Jesus:
Poderá vir a ser o nosso Fergusson. O Benfica tem crescido com ele e ele tem crescido com o clube. Vejo a construção dos alicerces de um projeto desportivo de grande envergadura que acabará por frutificar.
Benfica Stars Fund:
Cá está! A UEFA - G14 - está a ficar com sarna! Porque será? O fundo funciona de forma irrepreensível e com total transparência, respeitando as leis do país, sob supervisão da insuspeita CMVM - Carlos Tavares (salvo erro) será dragão? Teixeira dos Santos (seu antecessor) é! Dizem que tem lugar cativo na tribuna de honra!
Estará a UEFA a ser pressionada pelos bancos a quem desagrada ver fugir os cordeirinhos? Visará esta iniciativa da UEFA o fundo do Benfica em especial? Não sei, mas…não ponho as mãos no fogo por tal criatura - como já referi -, os azuis integram o G14 e o FSF foi um grande “baile” financeiro do Benfica a todos os que têm os tais fundos em off-shore! No saco azul…o saquinho da futa…do cafezinho….Ná!   
Sucessão:
Deve ser planeada com tempo, definindo o perfil adequado e identificando potenciais candidatos. A nau é muito grande e, sem fruta, sem cafezinhos e sem aconselhamento matrimonial, exige capacidades muito específicas, na gestão desportiva, na formação e condução das equipas, na criatividade empresarial, no relacionamento institucional e na resistência física e psicológica.
Rui Costa contaria com o apoio de todos nós, estou certo, porém, há valências que ainda não tem, outras, não terá! As valências comuns da área empresarial; só alguém muito “duro” conseguirá governar a grande nau que é o Benfica.

AB

Sem comentários:

Enviar um comentário