segunda-feira, 18 de março de 2013

Guimarães-Benfica (0-4); Benfica deixa o rival pela alheta!

Um Benfica imperial impôs uma pesada derrota ao Vitória de Guimarães no seu terreno, graças à humildade, concentração, espírito de luta e controlo emocional, tornando fácil uma contenda tradicionalmente difícil. Apesar das reservas relativamente a Paulo Batista, a sua equipa acabou por fazer um trabalho suficiente; assinalou bem a GP, mas falhou o vermelho ao defesa vimaranense, anulando mal três lances ofensivos perigosos do Benfica por fora de jogo inexistente!
 
O Guimarães entrou muito agressivo, com pressão alta moderada, o meio-campo muito povoado, rápido e solidário, a última linha defensiva muito subida, apostando no fora de jogo e na redução de espaços entre linhas.
 
O Benfica apresentou uma formação muito próxima do seu melhor, assinalando-se a ausência de Luisão por lesão; Gaitan na esquerda, Sálvio na direita, Lima e Cardozo no eixo. Matic a trinco e Enzo no miolo.
 
Jogo dividido, muita bola para o ar, muita luta, muita intencionalidade do Vitória, mas sem criar oportunidades de relevo. À semelhançpa de jogos anteriores, o Benfica revelou falta de criatividade no meio-campo; capacidade para segurar a bola, abrir espaços e desenhar os lances ofensivos, algo que Aimar e Gaitan tão bem sabem fazer e Enzo, apesar de tudo, fez a espaços. Sálvio esteve muito bem a fechar defensivamente o flanco direito corrigindo uma lacuna crónica esta época, tendo tido ainda oportunidade de fazer o 3º tento numa bela arrancada pela esquerda, após drible ao GR contrário, sob lançamento primoroso de Enzo.
 
O Juiz de linha parecia ter o automático da bandeirinha ligado, anulando sucessios lances ofensivos ao Benfica! Até que...um lançamento em profundidade de Gaitan proporcionou um fantástico sprint de Lima, travado em desespero de causa quando se preparava para enviar a redondinha para o fundo da baliza, após ter passado pelo GR.  Cardozo assinalou com classe o castigo máximo, num toque súbtil mas mortífero.
 
O Vitória, continuou a dar luta, com abnegação, mobilidade e agressividade, mas não evitou o 2º golo por Garay num magnífico chapéu curto e cruzado ao 2º poste, na sequência dum excelente cruzamento da esquerda de Gaitan, mais uma vez.
 
O bom futebol do Benfica, fluido, amplo e com profundidade impunha aos jogadores do Vitória o recurso sistemático à falta, até que, um 2º amarelo valeu uma expulsão de um dos seus elementos. Nem por isso baixaram os braços os atletas de Guimarães, continuando abnegadamente à procura da sorte, que...esteve prester a acontecer numa jogada pela esquerda com excelente cruzamento e remate a que correspondeu Artur com primorosa defesa seguida de recarga que, por enrolada e sorte, lhe fez chegar o esférico às mãos apesar de sentado no relvado, revelando apesar disso, serenidade, concentração e reflexos.
 
Ainda entraram John, Aimar e Rodrigo, para nos presentearem com o seu bom futebol que rendeu a Rodrigo mais um belo tento numa "bomba" de ressaca, indefensável.
 
Nos últimos dez minutos, os jogadores do Vitória, finalmente, abrandaram o seu jogo, convictos da inutilidade do empenho, dadas as circunstâncias.
 
Mais um passo em frente, exigindo-se porém, o reforço de concentração e blindagem do balneário, pois como é habitual, as manobras de desestabilização da frutaria irão intensificar-se. Há que estar preparado para tudo.
 
 
 


AB

Sem comentários:

Enviar um comentário