quarta-feira, 17 de abril de 2013

O abre-latas (por João César das Neves, in DN de 15 de Abril de 2013)



Uma das muitas anedotas usadas para criticar os economistas diz que um deles se encontrou numa ilha deserta com um engenheiro e um químico, tendo apenas uma lata fechada com comida. O engenheiro sugere um sistema de pesos e roldanas para abrir a lata, enquanto o químico pensa nos reagentes que possam dissolver a tampa. O economista resolve o problema concebendo um modelo que começa assim: "suponhamos que temos um abre-latas!"
 
A maioria das afirmações que ouvimos acerca da situação económica portuguesa também assume a existência de um abre-latas que realmente ninguém tem. Quando se diz que basta de austeridade e que devemos mudar de política, supõe-se que a lata já está aberta, o que é evidentemente falso. Podem criticar-se os métodos que o Governo tem usado para o conseguir; o que não é possível é interromper o jejum e começar o almoço antes de abrir o malfadado recipiente.
 
Portugal tem uma enorme dívida, que acumulou ao longo dos últimos vinte anos. Mas esse não é o seu pior problema. A questão decisiva é que, ainda hoje, e apesar de todos os sacrifícios, o Estado continua a gastar mais do que recebe e a dívida continua a crescer. Os próprios protestos mostram isso, pois repetem à exaustão que não se podem aumentar mais os impostos e afirmam categoricamente que mais cortes nas despesas liquidarão saúde, educação, polícia, segurança social e inúmeras funções indispensáveis. No entanto, os impostos, apesar de esmagadores, continuam abaixo das despesas tão espremidas.
Isso constitui o famigerado défice orçamental, que teimosamente se mantém elevado. Este facto é tão evidente e incontornável quanto a lata que encerra a comida. Quem ignorar essa realidade pode estar cheio de razão na sua raiva e desapontamento, mas nada adianta para a solução do problema.
 
Aquilo que realmente fecha a lata não vem dos credores, mas dos muitos interesses instalados que bloqueiam o País. Bancos, sectores, serviços e profissões não querem perder rendas e benesses insustentáveis. Beliscá-los gera os urros que ouvimos a cada passo, pois eles controlam partidos e jornais.
 
De facto o nosso país tem de conseguir, não eliminar o défice, mas mostrar que ele está suficientemente controlado para que os credores internacionais voltem a ter confiança na nossa capacidade de honrar as responsabilidades. Entretanto a troika empresta muitos milhões, quase metade do nosso produto nacional, para irmos comendo enquanto abrimos a lata. Mas, como não há almoços grátis, isso vem com condições, a sempre criticada austeridade, que é apenas uma receita para levantar a tampa. Quando isso acontecer, que a troika continua a prever para 2014, o País regressa à normalidade e poderemos finalmente almoçar. Dada a dureza do jejum, são compreensíveis recriminações, queixas e desalentos. Mas não faz sentido abandonar o esforço de resolver o problema ou falar em políticas alternativas que não o enfrentam com clareza.
 
Os abre-latas sugeridos parecem atraentes, mas nenhum é realmente eficaz. Falar em promoção do crescimento económico num país estagnado há 13 anos, todos cheios de políticas de promoção de crescimento, só pode ser amarga ironia. O País há-de voltar ao progresso, não com políticas de promoção, mas com o recuo do Estado e a normalização dos canais económicos. Também o abandono do euro, a renegociação da dívida ou "um governo patriótico e de esquerda" não resolvem o problema de fundo: o Estado continua a gastar mais do que recebe, mesmo depois de cortar fundo nas despesas e subir escandalosamente os impostos.
 
Então qual a solução? Portugal mergulhou na crise passando 20 anos a fazer o contrário do que os economistas recomendam; não é provável que agora siga o que dizem. Mas se quiserem saber, a cura da crise é dieta no Estado e reestruturação da economia. A solução está em libertar as empresas e produção. Pode parecer estranho a quem só conhece anedotas, mas a boa teoria económica afirma que não há abre-latas fácil e a via para o progresso está na técnica, engenharia, química, etc.
 
Por decisão pessoal, o autor do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico 

Sem comentários:

Enviar um comentário