domingo, 12 de maio de 2013

Porto-Benfica (2-1)

E quando o empate e a vitória no campeonato pareciam certos, eis que...num belo lance de futebol o mostrengo deitou tudo a perder, precisamente quando o Benfica procurava segurar a bola no meio campo adversário. Os golos que sofremos resultaram de uma falha defensiva recorrente, nunca colmatada, nem no decurso de cada jogo, nem da época; falta de marcação aos extremos adversários. Quando se apanham bons jogadores pela frente...dá golo. Foi o que aconteceu; com azar no primeiro, com mérito adversário no segundo.
 
A equipa do Benfica fez um jogo eminentemente tático, contido, desta vez mais equilibrada no meio-campo, adiantando-se no marcador num lance de insistência onde Lima, fulgurante, apareceu a faturar. Todos somos esclarecidos depois dos acontecimentos, mas é dos livros; quem joga para o empate acaba por perder. Foi o que aconteceu, mesmo ao cair do pano. Foi quase, quase. É a vida, é o futebol verdadeiro.
 
Nenhuma das equipas criou oportunidades claras de golo; do nosso lado um remate de Cardozo com selo de golo a que Helton correspondeu com excelente defesa. Do outro lado, um ou dois cruzamentos perigosos, mais uns lances de bola parada estudados e forçados.
 
Enzo, o combatente que poderia ter feito a diferença no meio-campo, bem cedo levou, sem causa, o amarelo da ordem e com isso perdeu 25% da sua capacidade. Do outro lado, usou-se e abusou-se do jogo sujo; Gaitan e John sairam lesionados. Um artista este Proença.
 
Não contesto o resultado deste jogo nem tão pouco o do Estoril na Luz; contesto sim o Benfica-Braga, o Nacional-Benfica, o Académica-Benfica, o Académica-Porto, o Setúbal-Porto, o Braga-Porto e o Nacional-Porto. O resultado destes jogos foram decididos nos bastidores e não nas quatro linhas; é a minha convicção.
 
Qualquer marciano recém-chegado a um país, onde uma equipa para ganhar uma prova destas tem que vencer todos os jogos, conclui de imediato que algo está errado! Sabem-no todos; UEFA, FIFA e governos, mas limitam-se a tentar fazer crer que nada se passa ou a mostrar o seu - falso - empenho na luta contra a corrupção.
 
Mas ainda poderemos ser campeões; o Paços tem condições para empatar ou mesmo ganhar o jogo ao Porto. Pois podemos. Mas...e o Xistra?, e o Benquerença?, e o  Elmano?, e o Dias?, e a mala azul? Não acredito. Ou melhor, lá bem no fundo tenho uma fézita, até porque, últimamente, tenho andado a magicar cá umas coisas bem feias.
 
O Guimarães, não é novidade nenhuma, como quase todos os clubes nacionais da 1ª Liga está técnicamente falido; caíu em desgraça na sequência das posições que tomou, alinhando com o Benfica junto da UEFA no célebre caso do Apito onde, graças a malabirismos vários, o mostrengo acabou por passar incólume. Esta época, o mostrengo foi a Guimarães passear, goleando!,...meses depois, o mostrengo adquire duas jovens promessas deste clube, o qual, provávelmente, continuarão a representar! É assim que se compram jogos em Portugal. O Guimarães, junta-se ao Braga, Académica, Setúbal, Olhanense, Nacional e outros. Enquanto o Benfica tem que se empenhar a fundo em todos os jogos, ao mostrengo basta dar umas passeatas em muitos deles. E com isto estão a matar o jogo e a semear a descrença da população...no futebol e...no país. 
 
Os nossos Atletas e Técnicos foram briosos, bateram-se com denodo e não mereciam perder, apesar de terem cometido algumas falhas. Num campeonato decente seriam campeões há várias jornadas. Um abraço a todos. Há que aceitar a derrota sem lamúrias, aprender com os erros cometidos e atacar o próximo embate. Que tenham a sorte que todos merecem tal como nós, os Adeptos.
 
Viva o Benfica!
 

1 comentário:

  1. Concordo António.

    Mas JJ teve muitas hipóteses de fazer melhor em termos de gestão.

    ResponderEliminar