segunda-feira, 24 de junho de 2013

Acaso ou encomenda?

Sob o malicioso título "Sexo trama Artur e polícia Gay", o decadente e persecutório - relativamente ao Benfica - CM de hoje, descreve uma trama de cariz sexual com chantagem, em que, Artur Morais, o guarda-redes do Benfica, parece ter caído, e que terá afetado decisivamente o seu desempenho desportivo a partir daí. De facto, entre vários outros motivos, os erros grosseiros de Artur a partir do jogo na Luz com o clube da fruta, foram decisivos para as aspirações do meu clube. Bastaria que os não tivesse cometido para o Benfica ter sido campeão. Essa é que é essa! São vários, todos decisivos e demasiado primários para um guarda-redes da sua categoria! Entregar a bola ao ponta-de-lança contrário - Porto e Guimarães - que espera por ela mesmo à entrada da área e sem oposição? Deixar passar o esférico mesmo junto ao poste - Estoril -, rematado de ângulo difícil? Ficar pregado ao chão num lance aéreo, lento, numa final europeia, enquanto o adversário, tranquilamente, espera por ela para o remate sem oposição? Dou de barato a meia-fífia do golo do empate na frutaria azul.

Ficámos a saber então que, ao contrário do que o articulista parece sugerir numa provocação insultuosa, Artur Morais gosta de mulheres e tal terá sido o motivo que o fez cair nas garras de criminosos, um dos quais já preso, que o terão chantageado a ponto de perturbar a sua concentração desportiva. Podemos então dizer que, esta época, o Porto foi campeão por uma queca do Artur! Ou seja, em vez de "campeonato do capela", o campeonato transato poderá ser designado pelo "campeonato da queca do Artur". Bolas, como nos saíu cara essa queca! 

Pois, acontece que, nestas matérias, não acredito em coincidências. Este é um dos métodos típicos de arranjo de jogos referido por Declan Hill no seu livro "A Máfia do Futebol" e por Marinho Neves no seu romance "Golpe de Estádio" como dos mais usados pelas "exemplares estruturas" para capturar árbitros, atletas, dirigentes adversários e até políticos. Perante uma mulher bonita, em ambiente próprio, qualquer hetero cai sem apelo nem agravo, não é assim grinaldo telhas? Pois é, e a lusa "exemplar estrutura" não costuma deixar nada ao acaso, não é assim srs estorilistas?, não é assim, srs ferreirenses?  Claro que é! 

Será que a PJ e o MP irão aprofundar a investigação tentando saber se há mandantes envolvidos? Veremos; porém, não me espantaria se tudo ficasse por aqui. Afinal, o roubo dos computadores na sede da FPF não parece preocupar ninguém - teriam informação comprometedora para algum dirigente? -, tal como da misteriosa morte de um alegado dirigente da Porto Comercial parece ter submergido na névoa do esquecimento! Tudo é transparente naquele "reino!" 

A ser verdade, deveria o Artur ter comunicado o sucedido ao seu Treinador e à Polícia - tê-lo-á feito? -, declarando falta de condições para participar nos jogos, o que, ainda assim, não deixaria de constituir um 'handicap' para a sua equipa, porém, menos gravoso; uma coisa é não conseguir defender um remate adversário, outra bem diferente é oferecer-lhe a bola para marcar. É na adversidade que se revela o caráter das pessoas e Artur não foi capaz de defender a sua equipa, os seus colegas, os seus adeptos. Não esteve bem. Não serviu bem o Benfica, como é obrigação de qualquer Atleta do clube. 

Talvez valha a pena acompanhar o desenvolvimento deste caso.

Sem comentários:

Enviar um comentário