segunda-feira, 24 de junho de 2013

Os inimigos do Benfica

Há muito que denunciei a "santa aliança" entre a PT, a ZON e a Sportinvest, patrocinada pelo atual governo através de Miguel Relvas, percebendo, desde logo, a trama que agora se revelou. Perante o "cheque" dado pelo Benfica à Olivedesportos reagiu esta com os seus aliados de sempre, constituindo um monopólio na área das transmissões de competições desportivas, com o propósito de impedir o Benfica de vender os seus jogos em mercado aberto. Estão lá todos; Belmiro de Azevedo,  Dos Santos (Zon), PT, BES e BCP (estes dois últimos ainda que indiretamente; aquele, acionista das SAD dos três grandes, este, fundado pelo Amorim, seu ex-administrador, tal como Alípio Dias, ambos membros do Conselho Consultivo do FCP, tal como Azevedo. Consta ainda que aqueles bancos perdoaram cerca de 100 milhões de euros de dívida à Controlinveste tendo convertido cerca de mais 130 ME em participações sociais. Foram também estes bancos, que, salvo o erro, "entalaram" Vale e Azevedo congelando as contas do Benfica, quando aquele ameaçou destruir os que viriam a ser os alicerces do império Oliveira em proveito do Porto. São estas as forças que estão por trás do Pinto e que se opõem ao sucesso desportivo do Benfica, pela aspiração de subjugarem o país aos seus interesses, que dizem ser os da região norte. Lá bem em frente ao Estádio da Luz, está um dos símbolos desse poder, o Colombo, que, também por esta via, permite aos inimigos do Benfica tirar proveito financeiro dos seus adeptos. E quanto mais levarem, menos sobra para o Benfica! Essa é que é essa!
 
Espero que os dirigentes do Benfica não cedam a este ataque; não faltarão clientes; as soluções hão-de aparecer. E mesmo que não aparecessem, seria preferível não as vender a essa gente; encher-se-ia o estádio, far-se-ia um rombo na STV, levantar-se-ia o orgulho dos benfiquistas e chamar-se-ia a atenção da comunidade internacional para a disfunção democrática que se vive em Portugal.
 
De todo o modo, compete à Direção do Benfica, à semelhança do que fez o Presidente da Liga - com sucesso num primeiro processo -, fazer queixa a quem de direito contra abuso de posição dominante e monopólio, invocando os seus direitos constitucionais, tal como deveria ter apresentado queixa no Ministério Público contra incertos, relativamente ao jogo Paços de Ferreira - Porto, no qual as incidências do jogo e acontecimentos  posteriores indiciam que pode ter ocorrido "arranjo" entre os contendores, com prejuízo de terceiros, no caso, do Benfica. Investigando-se ou não, provando-se ou não, a convicção da generalidade dos adeptos, incluindo a minha, é que, tal jogo não passou de uma farsa, tal como vários outros em que o Porto participou. Não fiquemos à espera que outros façam o nosso trabalho, tal não ocorrerá.

O futebol nacional é um esgoto a céu aberto!

Valha-nos Deus!

Sem comentários:

Enviar um comentário