sábado, 18 de abril de 2015

Confisco e desumanidade

   Diariamente têm sido noticiados casos absurdos relacionados com as portagens, nos quais, dívidas de cêntimos se convertem em milhares, até dezenas de milhares de euros, graças a uma cadeia de penalizações em progressão geométrica. Ingenuamente, cheguei a pensar tratar-se de qualquer descontrolo informático dos serviços, e que, devido à flagrante injustiça e aos dramas humanos subjacentes, o governo iria tratar de resolver.  Engano!, o Correio da Manhã de hoje explica que, da receita cobrada, 15% são para as concessionárias às quais é devida a portagem, 40% são para o Estado, 35% são para o fisco e 10% são para o Instituto de Mobilidade e Transportes!  
 
   Trata-se, tão só, de um processo de confisco implícito, em que o Governo elabora e faz aprovar leis excecionalmente restritivas e penalizadoras graças ao apoio parlamentar de que disfruta, compelindo ao incumprimento e ao confisco patrimonial do cidadão, a quem não hesita em penhorar bens ainda que essenciais à sua sobrevivência e da respectiva família!

   As necessidades de financiamento da estrutura do Estado estão a destruir a economia do país e as famílias mais frágeis, revelando uma insensibilidade próxima da crueldade. Com este comportamento, o Governo, destrói a confiança de quem lhe reconhece  mérito no ajustamento verificado na balança externa e na descida das taxas de juro, atirando os cidadãos para os braços dos demagogos. De nada vale o progresso se desumano.   
 
O 25 de Abril está de luto!

Sem comentários:

Enviar um comentário