sábado, 20 de junho de 2015

O novo dogma

   Reconheceu recentemente o Papa Francisco os malefícios do Aquecimento global (AG), em especial sobre os mais pobres, admitindo a origem humana do alegado fenómeno. Ora aqui temos a materialização "oficial" da ascensão da  teoria do AG a dogma, ao nível dos ensinamentos de Jesus Cristo, tal como doutrinou Al Gore, o grande profeta, e agora aplaude Obama. Quer isto dizer que os dissidentes desta teoria baixam à categoria de "pecadores" e vêm de antemão "justificado" o ostracismo profissional a que são votados.
 
   Emmanuel Kant deve dar voltas na sepultura! O homem, através da ciência, ergueu-se ao nível de Deus! No mínimo, é necessário ouvir e refletir sobre outras teses; seja a de que os ciclos climáticos são naturais, ou a de que o efeito dos gases antropogénicos é marginal, ou, pelo contrário, a de que Terra iniciou uma nova era glaciar.
 
   Que a revolução tecnológica subjacente à prevenção do AG favorece os países tecnologicamente desenvolvidos, confrontados com o fim dos privilégios resultantes da Revolução Industrial e da Colonização, é uma verdade. Que a implementação das medidas de prevenção preconizadas por Quioto implica custos astronómicos e o retardamento do desenvolvimento dos países pobres também é verdade. Que o custo de oportunidade é avultadíssimo também ninguém tem dúvidas - Bjorn Lomborg no seu "Cool It", defende que o investimento no combate aos males que afetam os países pobres seria bem mais eficaz.
 
   Seja como for o Papa Francisco deu um passo em falso ao reconhecer origem humana ao aquecimento global. Há demasiada gente idónea contra que deve ser ouvida e ponderados os seus argumentos; defender os pobres sim, apoiar os alarmistas e oportunistas não!
 
   Na foto, John-Daly-Pic, um cientista irlandês que contesta o método de medição das temperaturas da Terra que deu origem ao famoso hóquei-stick, que por sua vez sustenta a tese da acção humana.

Sem comentários:

Enviar um comentário