domingo, 20 de novembro de 2016

Quase passeio!


     
   Esperavam-se mais dificuldades para a equipa do Benfica neste jogo com o Marítimo; uma equipa tradicionalmente difícil. Mas também não se poderá dizer que o jogo foi um passeio para os encarnados; os jogadores do Marítimo, honra lhes seja feita, nunca deixaram cair os braços, mantendo sempre uma postura de inconformismo. Aconteceu, simplesmente, que a equipa do Benfica fez um excelente jogo; tranquila, concentrada, talentosa, alegre, proporcionando momentos coletivos e individuais de grande requinte. Houve detalhes técnicos deliciosos, dos que os adeptos do futebol gostam e retêm na memória. Todos os golos foram deliciosos; nem "chouriços" nem carambolas. No primeiro, Cérvi tem o cuidado de não rematar a direito; o segundo nasce de uma recuperação fantástica de Sálvio seguido de passe "a rasgar" e remate cruzado ao segundo poste, de Pzzi (salvo o erro); no terceiro, Nelson Semedo faz uma fabulosa rotação com bola colocando-a de seguida, a meia-altura, em Mitroglou, que a espera no local certo, fazendo o quarto de seguida, num difícil remate de pé esquerdo, o pé de dentro, a passe de Gonçalo Guedes. Jimenez é um craque nos penaltis; Guedes fez um golo dificílimo, num remate de primeira a centro a meia altura de Pizzi. Enfim; Nelson Semedo, finalmente, atingiu a forma que o levou à seleção da primeira vez. Gonçalo Guedes é cada vez mais um caso sério, combinando força e talento como poucos, Mitroglou é um aristocrata do ataque, Sálvio está em forma, recuperando bolas, transportando-as, centrando, rematando, Cérvi é de uma irreverência e rapidez desconcertante, Pizzi é cada vez mais um grande maestro, Luizão, estabiliza a defesa e toda a equipa, Elizeu quando necessário mostrou os seus pergaminhos de velocista e pé canhão, Lindelof, discretamente, é um pêndulo, Samaris impediu que se notasse a falta de Fejsa e Júlio César quando foi chamado a intervir, safou-se...menos mal...(não devia ter deixado escapar a bola para a frente). É verdade porém que ainda houve por lá uns passes meio malucos, absolutamente reprováveis, e falta de inteligência ao não explorarem o imenso espaço que os madeirenses deixavam nas costas quando subiam em bloco no terreno.

Jimenez, Rafa e Carrilho jogaram uns bons 15 a 20 minutos, salvo o erro; mostraram que estão prontos. 
   Xistra, talvez tenha falhado em dois lances na área do Marítimo, que me pareceram passíveis de castigo máximo. A grande penalidade assinalada não tem discussão; por acaso até foram duas faltas no mesmo lance.
  Aprovo a discrição e o respeito com que Técnico e jogadores se pronunciam sobre o jogo e os adversários Assim é que é; concentração máxima no momento, ignorando todo o ruído que por aí se faz.
   Força!
PS1: O porto foi afastado da Taça pela, sempre difícil, equipa do Chaves. Estou curioso quanto ao castigo que a FPF ou LPFP vão aplicar ao Benfica! Não falha!

PS2: O nosso Néné faz anos; calhei a ouvi-lo, há pouco, na BTV, com outro mago da bola o nosso Vitor Martins. Comovi-me; a lágrima marota ainda balançou. Comovi-me com o afeto do Grande Néné ao nosso Benfica e ao seu amigo-irmão Vitor. A cultura de afetos é uma das marcas do benfiquismo, que sempre deve prevalecer.


Sem comentários:

Enviar um comentário