sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Um manicómio chamado Portugal

 

Com vénia ao Clube de Oficiais da Marinha Mercante, transcrevo estes exemplos “exemplares” da verdadeira causa da falta de competitividade neste país de gente “doida” (salvo seja):

a)   Entre 2014 e 2020, os projetos de apoio à pesca artesanal irão beneficiar de uma taxa de cofinanciamento comunitário de 75%. Senhores pescadores, tratai de amealhar os restantes 25%, se puderem. (Esta não conta; é boa!).

b)   A Comissão Europeia vai canalizar para o setor das pescas verbas dos fundos da Política de coesão, para investimentos em melhoramentos das infraestruturas de apoio à pesca artesanal, como por exemplo; construção e desassoreamento de barras. (Esta também não conta; também é boa!).

c)   O “PROMAR”, Programa Operacional de Pescas, tem 65 ME para investimento em aquicultura e a Noruega vai oferecer a Portugal 58 ME para aplicar em projetos marítimos ou de saúde. (Esta ainda não conta; também é boa!). A outra a seguir é para contar; leiam com atenção:

d)   O Relatório de Auditoria do Tribunal de contas diz: “ A aquicultura não tem tido o aumento que se esperava “. E mais à frente; nos “ Investimentos Produtivos da Aquicultura do programa PROMAR com incidência sobre a execução de 2010, verificam-se desistências de promotores, devido a obstáculos na obtenção de licenças, necessárias para apresentação de candidaturas e na dificuldade de acesso ao crédito bancário. Por isso, a meta definida de 3200 toneladas de aumento de produção em 2010, ficou longe de ser atingida”. UAU! Quem se atreve a explicar aos governantes as verdadeiras causas da perda de competitividade da economia portuguesa?  Ora vamos lá pensar em conjunto: Há dinheiro…há projetos…mas…não há investimentos…por causa do excesso de burocracia! UAU! Má qui cosa bella!

e)   O consumo per capita de peixe na UE é de 22,3 Kg enquanto a média global é de 16,1 Kg. A produção de pescado europeia satisfaz 40 % da procura interna. Quer dizer; a EU importa os restantes 60 %! Agora digo eu; Portugal tem a maior ZEE da europa, que ainda vai ser expandida - esperemos -, desde a adesão à CEE, depois UE, o esforço de pesca português sofreu uma redução, salvo erro, entre 60 a 75%. Contudo, apesar da nossa frota residual, apesar da carência da UE em pescado, apesar de importarmos, aproximadamente 800 MEA, de pescado, o valor deste em lota tem baixado, continuamente, salvo exceções! Sabem porquê? Porque a UE, por razões político-económicas do interesse dos que a controlam, abriu as fronteiras à importação de pescado de todo o Mundo (poderão confirmá-lo nos hipermercados). Má qui cosa bella, mamma mia! (vejam a próxima):

f)    Uma diretiva do Instituto Nacional dos Recursos Biológicos fixou a captura máxima de sardinha nas 400 toneladas entre Janeiro e Maio de 2012, representando uma redução de 64 % face a igual período do ano passado. Digo eu; queriam saber onde anda a sardinha? Mesmo a sério? Pois! O Governo não deixa pescá-la, e os nossos pescadores não sabem onde ela anda! Quer dizer; há uma forte carência de sardinha na nossa costa e o Governo, em vez de mandar os “cientistas” estudar o fenómeno, limita a pesca! Eu vou prá ilha! Tá mesmo à minha frente, quem quer vir? (ora vejam agora a próxima; é báita fixe!)

g)   A Companhia de Pescarias do Algarve em Olhão, investiu 1,3 ME numa nova fábrica, que, apesar de ter sido inaugurada há um ano, encontra-se encerrada! Querem saber porquê? Querem? Mesmo, mas mesmo a sério? Então vão buscar um lençol para enxugar os olhos. Por falta de ligação à rede municipal de esgotos! O Porto de Pesca de Olhão não possui tratamento de esgotos e os efluentes descarregam diretamente para a Ria Formosa! O IPTM responsabiliza o Ministério das Finanças - acho que falta o tal papel - para ligação da estação elevatória, já construída, à ETAR, também pronta!  Calma; vamos pensar em conjunto; Um fdp (salvo seja) investiu 1,3 ME, criou não sei quantos postos de trabalho - riqueza endógena -, tem a fábrica parada a consumir recursos financeiros e o endividamento da Câmara não chegou para construir o “desgraçado” do ramal de esgotos? Calma; não é tudo! Então o Porto de Pesca descarrega os efluentes para a Ria Formosa! Hããããã? E os “desgraçados” dos mariscadores, estão largos meses do ano paralisados e a passar fome, com as suas famílias, por causa das toxinas! Já me esquecia; sempre podem passear nas rotundas…! Ninguém quer ir prá ilha cómigue? É bué da fixe meu! 

h)   Agora uma boa: David Melgueiro foi um navegador Português, que, em 1662 e pela primeira vez, navegou do Japão ao Porto pela rota do Pólo Norte (passagem do Nordeste)! Pergunto eu; onde é que este "ladrão" terá ido tirar o curso? Ainda não havia a Independente nem a Lusófona pois não?

i)    Outra boa: Portugal vai ter um novo navio de investigação ocenográfica! Alto aí; não estejam já a pensar coisas más; não é para fazer cruzeiros, é para investigar como "devedeser", tá?

j)    Esta é para rir: As Agências das Nações Unidas estão empenhadas em combater o trabalho infantil na pesca! São encontradas crianças a cozinhar, libertar redes, limpar e vender peixe. Parece que estão muito atentos ao problema e vão fazer um documento para publicar em 2012! Digo eu; depois, quando esse documento sair, deixará de haver trabalho infantil na pesca e meninos atirados aos crocodilos!

k)    Olhem, vou mas é ver o Benfas, a ver se isto melhora alguma coisa!

l)     Parabéns ao colega Alberto Fontes que foi o autor do referido trabalho publicado na revista dos “Herdeiros de Vasco da Gama”.
 
AB 

Sem comentários:

Enviar um comentário