terça-feira, 23 de outubro de 2012

Eleições no Benfica 1 - Contributo


 
Os dados estão lançados para a eleição dos corpos gerentes do Sport Lisboa e Benfica para o próximo quadriénio. À esperada recandidatura de Filipe Vieira, juntou-se a de Rui Rangel encabeçando, por fim, os principais críticos da gestão anterior. Os discursos dos candidatos e seus apoiantes sobem de tom. Espero que as respetivas campanhas se centrem nos correspondentes projetos, com respeito mútuo, como é apanágio da cultura benfiquista.

Qualquer projeto para o Benfica terá sempre que visar a prossecução das vitórias desportivas em todas as frentes, profissionais e amadoras e a difusão do Benfica e do Benfiquismo – os valores da competência, da valentia, da lealdade, da universalidade, do humanismo e do patriotismo – quer na frente interna, quer na frente externa.

Defendo, nesta fase, como principais objetivos estratégicos para a gestão do Benfica durante o próximo mandato:

1. Independência financeira do Grupo Benfica face a instituições que servem os interesses de adversários diretos, distorcendo as regras da concorrência desportiva, nomeadamente no que concerne à alienação dos direitos desportivos e outros.

2. Prossecução da trajetória de aumento sustentado da competitividade de toda a atividade desportiva, com especial ênfase no futebol sénior.

3. Reconciliação de todos os Benfiquistas.

4. Redução do passivo financeiro em, pelo menos, 20 %.

5. Refinanciamento do passivo financeiro reduzindo as respetivas taxas de juro.

6. Restituição do futebol ao Povo de modo a manter o estádio tendencialmente cheio.

7. Intensificação e diversificação dos processos de participação dos acionistas e dos sócios na vida do Clube.

8. Intensificação e diversificação da difusão do Benfiquismo na sociedade Portuguesa, principalmente nas camadas jovens, quer em território nacional, quer junto das comunidades portuguesas no exterior, quer nos Palop, quer onde se identifiquem oportunidades emergentes.

9. Constituição de um Conselho Consultivo integrado por personalidades intrinsecamente Benfiquistas, com peso institucional e profissional incluindo elementos da lista vencida.

10. Aquisição de competências relevantes em Direito Desportivo interno e externo habilitantes da participação a todos os níveis, na reforma regulamentar do desporto e escrutínio permanentemente a sua execução.

11. Introdução na retórica corrente da Direção do Grupo Benfica, na esfera da sua estrita competência, o questionamento dos agentes políticos e governamentais relacionados direta ou indirectamente com política desportiva, se necessário, adequando os estatutos do clube.

12. Otimização da eficácia de todos os meios de comunicação do Grupo, com especial relevo para a Benfica TV.

13. Elaboração de um projeto consistente na área da comunicação social de forma a salvaguardar, tanto quanto possível, a fiabilidade dos agentes do setor e gerindo a difusão das notícias do universo Benfica.

14. Elaboração, com a participação dos associados, um código de ética Benfiquista vinculativo e fazê-lo aprovar em Assembleia Geral.

15. Definição de uma política de alianças estratégicas duradouras com clubes nacionais e internacionais garantindo benefícios mútuos.

16. Elaboração de proposta de reforma dos quadros competitivos para o futebol profissional contemplando a autonomia financeira dos clubes participantes.

17. Elaboração de proposta de reforma das cedências ou aquisição de atletas entre clubes do mesmo escalão.

18. Avaliação da relevância para a competitividade dos principais clubes nacionais face aos seus congéneres mundiais, da promoção de um campeonato europeu em substituição dos nacionais, para os clubes participantes.

Procederei, em crónicas posteriores, ao desenvolvimento de cada um destes pontos.

AB

Sem comentários:

Enviar um comentário