domingo, 25 de novembro de 2012

Benfica-Olhanense (2-0)


Uma vitória que não me pareceu fácil, contrariamente à opinião que João Querido Manha (JQM) expressou na sua crónica do Correio da Manhã (CM). Uma boa parte dos atletas do Benfica pareceram-me algo desgastados fisicamente, consequência da recente e exigente disputa com o Celtic; julgo que terá sido Sálvio o caso mais flagrante, apesar de não ter jogado mal. Por outro lado, o Treinador, pela mesma razão, procedeu à rodagem de alguns atletas; casos do Lima/Rodrigo, Enzo/Martins e Máxi/André. Luisão confirmou a boa forma apesar da paragem, coroada com um belíssimo e decisivo golo. 

Julgo que a equipa da Olhanense, cumpriu a estratégia anunciada na véspera pelo Sérgio Conceição, tendo "deixado o autocarro na garagem". De facto, defendeu quando teve que defender, com tudo o que tinha, graças, sobretudo, à impetuosidade ofensiva do Benfica, principalmente na meia-hora inicial, tendo revelado grande disponibilidade de luta no seu meio-campo pela posse da bola, partindo rapidamente para a ofensiva sempre que possível, com lances em profundidade, procurando tirar partido da velocidade e força dos seus avançados. Que me recorde, criou três situações que poderiam ter dado golo, numa das quais negado por uma excelente intervenção do Artur. 

O primeiro golo atenuou o ritmo que estava a ser imposto pelo Benfica e o início da 2ª parte trouxe um Olhanense mais atrevido, pressionando o adversário durante uns bons 10/15 minutos, que chegaram a preocupar, até ao golo tranquilizador de Luisão, na sequência de um pontapé de canto primorosamente marcado pelo Enzo, que, mais uma vez, veio mostrar a chave para a eficácia da conclusão ofensiva; precisão e coordenação.

Efetivamente, a equipa do Benfica tem revelado grande dinâmica ofensiva, com a frente de ataque bem alargada, grande capacidade de penetração pelas alas e grande quantidade de cruzamentos e remates à baliza. Porém, o índice de eficácia é reduzido devido à qualidade do último passe e à deficiente sincronização dos atacantes. Esta dinâmica deverá melhorar com a consolidação do entrosamento geral, algum trabalho específico e, sobretudo, se os resultados desportivos ajudarem. 

Bem esteve o Cardozo na marcação da grande penalidade, marcando-a com a sua melhor opção; remate forte e colocado junto ao poste. 

Mal esteve o árbitro e o atleta da Olhanense que, armado em chico-esperto, ferrou uma valente cotovelada no nariz do Melgarejo, assim a modos que, como quem não quer a coisa!

Mal esteve Sérgio Conceição ao pôr em causa a justeza da grande-penalidade sem qualquer razão pertinente, arriscando-se a perder o respeito de que ainda disfruta por parte de alguns adeptos do bom futebol, visto que, parece replicar a tradicional lambedela de botas ao pinto. 

Mais uma vez senti que os resultados do projeto global que tem sido implementado no Benfica chegaram ao terreno de jogo, graças à aposta na atual estrutura técnica que verticalizou todo o projeto desportivo e diversificou as opções disponíveis de modo a possibilitar a resposta atempada às adversidades que sucessivamente se têm abatido sobre o Benfica como que programadas pelos cúmplices da hidra azul. 

Agora; recuperar, refletir e preparar para o próximo embate, com humildade mas com o destemor que é apanágio deste clube, que respeita todos mas não teme ninguém, seja onde for, seja quem for. 

Já me esquecia; e treinar a meia-distancia que anda muito fraca!
 
AB

 

Sem comentários:

Enviar um comentário